Todo Dia

Mitos e verdades sobre o uso de probióticos em idosos

No Brasil, dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontam que são mais de 30 milhões de idosos, o que representa 14,6% da população. Uma alimentação equilibrada contribui para se viver mais e com saúde. Com orientação médica e nutricional, a suplementação de probióticos é um aliado na terceira idade. No entanto, algumas dúvidas costumam surgir quando o assunto é o cuidado com a microbiota, até poucos anos atrás conhecida como flora intestinal. Para esclarecer alguns mitos, convidamos a alergista e imunologista Ana Paula Castro, médica assistente da Unidade de Alergia e Imunologia do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas (HC) de São Paulo. “Os probióticos não têm contraindicação e podem ser parte de uma vida saudável. É uma estratégia segura para manter qualidade de vida, mas também conciliando com uma rotina de atividade física e alimentação equilibrada”, explica a médica. Lembre-se de consultar sempre o seu médico!

O funcionamento do intestino do idoso pode melhora com probióticos.

Verdade. “Quando o intestino está um pouco ‘atrapalhado’ ocorre o que chamamos de disbiose, que é um desequilíbrio das funções intestinais. Quando estamos mais velhos, questões nutricionais e hábitos alimentares podem levar a isso. Importante ter um bom acompanhamento nutricional. O uso de probióticos ajuda nessa regulação. Importante lembrar de fazer exames periódicos, como prevenção de câncer de cólon”, explica a médica Ana Paula Castro.

Idosos que tomam medicamentos de uso contínuo, como para controle de hipertensão arterial, colesterol, diabetes, não podem usar probióticos porque cortam o efeito.

Mito. “Probióticos não são remédios, eles são bactérias vivas e assim chegam ao seu intestino, lá se proliferam, reequilibrando o funcionamento intestinal. Não tem nada em sua formulação que possa descompensar uma doença de base. Vai ajudar a ter uma vida intestinal mais regulada, e com isso, garantir bem-estar”, detalha a especialista.explica a médica Ana Paula Castro.

Pessoas da terceira idade que sofrem com diarreias vão se beneficiar com uso de probióticos.

Verdade. “As diarreias no dia a dia refletem pequenos processos infecciosos e algumas intolerâncias alimentares. Sim, o probiótico pode ajudar na regulação desse intestino, a flora intestinal é convidada a se reequilibrar. O probiótico ajuda na integridade da parede do intestino. Mas, caso os sintomas persistam, consulte um médico”, orienta a alergista e imunologista.

Uso do probiótico é aliado na prática de atividade física.

Verdade. “Pessoas que realizam atividade física precisam estar atentas à alimentação. À medida que se encantam com os esportes, precisam de uma alimentação balanceada e o intestino deve funcionar bem. O Lactobacillus rhamnosus GG têm papel na regulação intestinal. Com isso, com uma melhor regulação intestinal haverá uma melhor circulação nessa região. Isso é de grande importância durante a prática do exercício, para que o sangue vá para o lugar certo”, diz a médica.

Há limite de idade entre idosos para tomar probióticos.

Mito. “Não há limite de idade para o uso de probióticos. São suplementações bastante seguras e podem ser usadas em qualquer faixa etária. Existe alguma preocupação, discreta, em relação a pessoas com comprometimento imunológico muito grave, como quimioterapias severas que atinjam o estado geral de um paciente, ou em situações de depressão imunológica bastante grave”, explica Ana Paula.