Crianças na creche: os cuidados para reduzir as doenças respiratórias e do sistema digestivo

Compartilhe e siga: Facebook Instagram WhatsApp

O convívio entre crianças na creche é saudável e tem seu papel no desenvolvimento infantil. Mas como são menores de de 5 anos de idade, elas ainda não tem os hábitos de higiene pessoal estabelecidos e é comum que  compartilhem objetos pessoais entre os colegas, o que aumenta o nível de exposição a vírus e bactérias.

Crianças que frequentam creche têm de duas a três vezes mais riscos de adquirir infecções respiratórias e do aparelho digestivo causadas por vírus.  O pediatra Bruno Paes Barreto explica que crianças abaixo de 5 anos –  ainda têm imunidade baixa – a imaturidade do sistema imunológico é comum na faixa etária e melhora com o passar dos anos.

“Faz parte dessa etapa da vida, quando a criança entra na creche, ter um número grande de infecções respiratórias e digestórias. A gente estima que acontençam de 6 a 10 episódios por ano, um a cada 30  ou 40 dias, de maneira normal. Mesmo sendo esperado, esses episódios impactam na qualidade de vida da família, pois os pais ficam aflitos com a febre e perda de apetite do filho. Tem todo esse cenário paralelo dessas infecções”, explica o pediatra.

Das infecções virais respiratórias comuns, o Dr. Bruno cita as relacionadas ao rinovírus e o adenovírus, contra as quais ainda não existe prevenção com vacina. Para a gripe há vacina disponível.

No inverno, as doenças mais comuns nas crianças acometem as vias respiratórias superiores: bronquiolite, resfriado, gripe, laringite, amidalite, otite, sinusite e pneumonia. No sistema digestivo, a diarreia aguda é bastante frequente na infância.

As medidas preventivas sempre são o melhor caminho para proteger as crianças das doenças respiratórias e evitar evoluções para quadros mais graves. Manter as vacinas em dia, o aleitamento materno, uma boa hidratação e alimentação saudável e equilibrada são fundamentais.

Pensando em ajudar o sistema imunológico dos pequenos, uma das opções é investir no uso de probióticos, que são suplementos de micro-organismos vivos benéficos que auxiliam no equilíbrio da microbiota do intestino, trazendo benefícios à saúde. O uso de probióticos também contribui para diminuir o tempo de diarreia e restaurar a microbiota.

Os pais e professores devem ensinar os pequenos a lavarem as mãos, principalmente após tossir, espirrar ou tocar os olhos. Além disso, quando doentes, as crianças devem evitar ir para a escola até a completa recuperação.  Importante que a criança leve sua garrafinha de água e objetos de uso pessoal de casa.

Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços você concorda com tal monitoramento. Informamos ainda que atualizamos nossa Política de Privacidade. Conheça nosso Portal da Privacidade e veja nossa Política.

OK